Federação de Judô de Mato Grosso do Sul

Federação de Judô de Mato Grosso do Sul

Logo-FJMS200x200-1.png

REGULAMENTO DO CONSELHO NACIONAL DE GRAUS DA CBJ – 1ª PARTE

REGULAMENTO PARA EXAME E OUTORGA DE FAIXAS E GRAUS

2010

APRESENTAÇÃO

Os princípios educacionais que inspiraram o Prof. Jigoro kano quando da idealização do Judô, faziam parte do seu plano grandioso de desenvolver e promover a Educação Física por meio dessa modalidade esportiva.

Seu desejo era formar seres humanos fortes, sadios e úteis a sociedade.

Seu método explora a riqueza real e simbólica do combate corpo a corpo, fundamentado em uma educação harmônica unindo as culturas: Intelectual, moral e física.

Para o Prof. Jigoro Kano o corpo é um instrumento a serviço do indivíduo, com o objetivo de contribuir na sua formação integral por meio dos aspectos; Biológicos (desenvolvimento harmonioso do corpo e a eficiência em combate), psíquicos (formação do espírito e do caráter) e sociais (convívio afetivo e em sociedade).

Atualmente, em função da transmissão das imagens das competições de Judô dos Campeonatos Mundiais, Jogos Olímpicos e outros eventos transmitidos pelas mídias que chegam a todos os lares do mundo têm despertado interesse nessa modalidade nos povos do mundo inteiro. Portanto, pode-se dizer que o Judô é conhecido e praticado no mundo inteiro e esse fato é muito gratificante. Entretanto, o atual progresso do Judô em nível mundial é questionado por vários estudiosos, haja vista que a divulgação deste, através da imagem, bem como a compreensão pelo telespectador se limita somente a parte concreta, que é a execução da técnica, sendo que a parte subjetiva, que é a essência do Judô, importantíssima, na formação do cidadão, a imagem não consegue transmitir ao espectador.

Esse fato está levando o ensino e a prática do Judô à tendências essencialmente competitivas, o que contraria frontalmente a proposta do criador de Judô, Mestre Jigoro Kano.

Para reverter essa tendência, aproximadamente há 5 anos atrás, iniciou-se no Japão o movimento de conscientização da necessidade de voltar a origem do Judô,com objetivo de resgatar os valores histórico e cultural e dos processos pedagógicos de ensino do Judô inseridos no contexto da formação do cidadão íntegro através da sua prática.

Diante dessa realidade, o Conselho Nacional de Graduação, realizou um profundo estudo visando uma reformulação no Regulamento de Exame e Outorga de Faixas e Graus da CBJ, com a intenção de resgatar e preservar os valores históricos e culturais, éticos e moral, no ensino do Judô de forma pedagógica, e que estes sejam transmitidos e preservados de geração a geração, para que o Judô continue desfrutando da credibilidade da sociedade, e ainda mantenha o reconhecimento como desporto de competição já consagrado em Olimpíadas, Mundiais e outros eventos internacionais, bem como um desporto educativo de suma importância no desenvolvimento físico e na formação do caráter dos jovens, através de novos critérios de avaliação dos conhecimentos pertinentes na progressão de Faixas e Graus.

FUNDAMENTAÇÃO HISTÓRICA

O sistema de graduação em Judô foi idealizado pelo Prof. Jigoro Kano e os primeiros judokas que receberam de suas mãos o 1° Dan de faixa preta foram Tsunejiro Tomita e Shiro Saigo em 1883. Yoshiaki Yamashita foi o primeiro a ser promovido a 10° Dan por Jigoro Kano em 1935. Entre os 10 primeiros que obtiveram o 10° Dan, praticaram em média 58 anos para alcançar essa graduação.

Para a graduação superior dos seus alunos o Prof. Jigoro Kano sempre teve a preocupação com a conduta moral, intelectual e a eficiência da técnica em combate, pois seus primeiros graduados tiveram a missão de difundir o Judô pelo mundo.

Jigoro Kano se preocupava com a Educação por meio da prática do Judô e propagou ao mundo a importância desse aspecto na orientação dos praticantes.

Em 1859 criou o Go Kyô e organizou uma sequência pedagógica para o ensino do Judô, que depois foi revisada em 1908 e 1920 e atualizada com poucas modificações em 1982 1997.

Em 1930 indicou o Prof. Seizaburo Yamamoto para iniciar estudos científicos sobre “posturas em Judô” que relacionava a postura com a força da gravidade.

Em 1932 no Instituto Kodokan foi formado o comitê médico do Judô, que em 1948 passou a ser denominado de “Conselho de Estudos Científicos sobre o Judô”, publicando periodicamente, relatórios, estudos e pesquisas científicas. É notória a dimensão educativa do Prof. Jigoro Kano, como Professores que somos, temos a obrigação em dar continuidade a esse trabalho educativo e social.

Como diz o Projeto “Renascença do Judô” do Instituto Kodokan e Federação Japonesa de Judô, “não se pode reduzir o sucesso alcançado pelo Judô ao fascínio que ele causa, devemos sim, voltar aos ensinamentos contidos nas lições do mestre Jigoro Kano, objetivando a educação humana, ou seja, o aperfeiçoamento humano em benefício da sociedade”.

REGULAMENTO PARA EXAME E OUTORGA DE FAIXAS E GRAUS

CAPÍTULO I – FINALIDADES

Art.1º – O presente Regulamento tem por finalidade, estabelecer normas para realização de exames de promoção, outorga e controle de faixas e graus do Judô a serem seguidas pelas Federações.

CAPÍTULO II – GENERALIDADES

Art. 2º – De acordo com os níveis de aquisição dos conhecimentos históricos, filosóficos, os princípios do espírito do Judô, domínio e habilidades na execução das técnicas, e ainda a contribuição na divulgação e progresso do Judô, aos praticantes será autorizado a usar as faixas nas cores conforme seqüência abaixo:

§ 1º Para as promoções abaixo, será necessário atender aos critérios de idade e carência em conjunto.

BÁSICO
FAIXA GRADUAÇÃO IDADE
MÍNIMA CARÊNCIA
MÍNIMA
BRANCA INICIANTE ————— —————
BRANCA / CINZA 11º KYÛ 4 ANOS 3 MESES *
CINZA 10º KYÛ 5 ANOS 3 MESES *
CINZA / AZUL 9º KYÛ 6 ANOS 6 MESES *
AZUL 8º KYÛ 7 ANOS 6 MESES *
AZUL / AMARELA 7º KYÛ 8 ANOS 6 MESES *
AMARELA 6º KYÛ 9 ANOS 6 MESES *
AMARELA / LARANJA 5º KYÛ 10 ANOS 12 MESES *
* Carência recomendada pela CBJ, na graduação anterior.

§ 2º Nas faixas em duas cores, (citadas acima) deverá ser colocada em suas extremidades a cor da faixa seguinte, obedecendo ao limite de 20cm a 25 cm em cada uma das extremidades.

INTERMEDIÁRIO
FAIXA GRADUAÇÃO IDADE
MÍNIMA CARÊNCIA
MÍNIMA
LARANJA 4º KYÛ 11 ANOS 12 MESES **
VERDE 3º KYÛ 12 ANOS 12 MESES **
ROXA 2º KYÛ 13 ANOS 12 MESES **
MARROM 1º KYÛ 14 ANOS 12 MESES **
** Carência mínima exigia pela CBJ, na graduação anterior.

§ 3º Nas faixas básicas e intermediárias, se for necessário poderá ser colocado no máximo quatro tiras em uma de suas extremidades.
§ 4º Para os praticantes acima de 16 anos não será exigido a sequência nem a carência nas faixas básicas e intermediárias.
§ 5º Recomenda-se o registro dos praticantes junto a sua federação de origem, a partir da faixa azul, salvo quando inscrito para participar em eventos oficiais, podendo ser registrado portando faixa em graduação inferior.

GRADUADO
FAIXA GRADUAÇÃO IDADE
MÍNIMA CARÊNCIA
MÍNIMA
PRETA 1º DAN 16 ANOS 1 ANO **
PRETA 2º DAN 20 ANOS 4 ANOS **
PRETA 3º DAN 25 ANOS 5 ANOS **
PRETA 4º DAN 31 ANOS 6 ANOS **
PRETA 5º DAN 37 ANOS 6 ANOS **
** Carência mínima exigida pela CBJ, na graduação anterior.

GRADUAÇÃO SUPERIOR
FAIXA GRADUAÇÃO IDADE
MÍNIMA CARÊNCIA
MÍNIMA
VERMELHA E BRANCA 6º DAN 44 ANOS 7 ANOS **
VERMELHA E BRANCA 7º DAN 52 ANOS 8 ANOS **
VERMELHA E BRANCA 8º DAN 60 ANOS 8 ANOS **
VERMELHA 9º DAN 69 ANOS 9 ANOS **
VERMELHA 10º DAN 78 ANOS 9 ANOS **
** Carência mínima obrigatória, na graduação anterior.

CAPÍTULO III – RESPONSABILIDADE DE OUTORGA DAS FAIXAS E GRAUS

Art. 3º – A responsabilidade de outorga de faixas e graus está assim distribuída:

1 – DANGAI (Pré Graduação-Faixa Branca até Marrom) – Serão outorgadas pelas Associações ou entidades similares, reconhecidas pelas Federações e sob a responsabilidade do professor inscrito no “Registro Geral de Graduação” da CBJ.

2 – YÛDANSHAS (Faixas Pretas de 1º a 5º Graus) – Serão outorgados os graus após exame teórico e prático realizado pela Comissão Estadual de Graduação, composta por membros inscritos no “Registro Geral de Graduação da CBJ, devendo os mesmos ser portadores de graus superiores aos dos candidatos, com homologação da CBJ.

3 – KÔDANSHAS – Kodansha é um título de alta graduação, específico do Judo criado pelo Instituto Kodokan, e que deve ser outorgado a aqueles que se empenharam no aprendizado,na pratica contínua,na demonstração da sua eficiência técnica em competição, e a devida dedicação no ensino, no estudo e na pesquisa. Portanto, é depositário e responsável pela difusão dos princípios filosóficos e educacionais do Judo, preconizados pelo Prof. Jigoro Kano.
§ 1º – Faixas Vermelha e Brancas de 6º, 7º e 8º Graus – As promoções para 6°, 7º e 8º Graus, serão recomendadas pela Comissão Estadual de Graduação, por meio da Federação ao Conselho Nacional de Graduação, por meio da CBJ que outorgará os graus mediante a votação favorável de pelo menos quatro dos seus membros analisando os aspectos ético e moral, cooperação, aprofundamento nos conhecimentos pedagógicos, técnicos e realizações, em beneficio do desenvolvimento do Judô nacional, através da análise de currículo sendo avaliada as atividades judoísticas relativo ao período de carência pertinente ao grau pretendido, homologado pela CBJ.
§ 2º – Faixas Vermelhas de 9º e 10º Graus – As promoções para 9º e 10º Graus, serão outorgadas pelo CONSELHO NACIONAL DE GRADUAÇÃO aos professores que ao longo da vida judoística, tenha contribuído expressivamente no progresso de Judô nacional nos aspectos, desportivo, filosófico, cultural, pedagógico, científico, técnico e prática de Judô, de geração a geração, através dos seus conhecimentos adquiridos pela dedicação constante dos estudos e pesquisas sobre o Judô e outras áreas de conhecimentos afins.

Art. 4º – O CONSELHO NACIONAL DE GRADUAÇÃO poderá delegar às Federações Estaduais o direito de compor as Comissões Estaduais de Graduação, estabelecendo os graus a que podem efetuar exames.
Parágrafo Único: Quando uma Federação Estadual não possuir os elementos necessários para formar uma Comissão Estadual de Graus, poderá solicitar apoio à CBJ.

CAPÍTULO IV – CONDIÇÕES PARA EXAME DE FAIXAS E GRAUS

Art. 5º – É condição básica e fundamental ao judoísta, para ter acesso ao exame de qualquer faixa ou grau, atender as condições abaixo:
§ 1º Ter comprovada idoneidade moral – (apresentar bom relacionamento interpessoal; respeitar os princípios éticos e moral do judô).
§ 2º Demonstrar os conhecimentos teórico e prático sobre o Judô, pertinente ao conteúdo da graduação da qual é portador.

CAPÍTULO V – PROGRAMA PARA EXAME DAS DIFERENTES FAIXAS E GRAUS

Art. 6º – No exame de faixas e graus, serão avaliados conhecimentos teóricos e práticos sobre Judô, conforme programa abaixo:
§ 1º As técnicas solicitadas serão definidas a critério da Comissão Estadual de Graduação.
§ 2º Será exigido o conteúdo da graduação anterior.
§ 3º No item histórico, a Comissão Estadual de Graduação poderá incluir fatos locais, regionais e ou nacional, e ainda conteúdo referente a cultura, tradição e aspectos filosóficos e educacionais do Judô.

I – FAIXA BRANCA / CINZA – 11º KYÛ

a) Idade mínima – 04 anos.
b) Carência – mínimo de 03 meses como Faixa Branca.
c) Demonstrar saudação em pé (Ritsurei).
d) Demonstrar amortecimento de quedas (Ukemi) para trás (Ushiroukemi) e lateral (Yokoukemi) executado na posição deitado.
e) Demonstrar uma técnica de projeção (Naguewaza) – integrante do 1º Kyô.
f) Demonstrar uma técnica de imobilização (Ossaewaza).
g) Vocabulário-Sensei (professor).

II – FAIXA CINZA – 10º KYÛ

a) Idade mínima – 05 anos.
b) Carência – mínimo de 03 meses como Faixa Branca / Cinza.
c) Demonstrar saudação ajoelhado (Zarei).
d) Demonstrar amortecimento de quedas (Ukemi) lateral (Yokoukemi) executar a partir da posição agachada, em pé e para frente com rolamento (Maemawariukemi).
e) Demonstrar duas técnicas de projeção (Naguewaza) – integrante do 1º Kyô.
f) Demonstrar duas técnicas de imobilização (Ossaewaza).
g) Vocabulário – contar até 10 em japonês (iti, ni, san, shi, go, roku, shiti, hati, kyû, jû) – peças que compõem local de treinamento ou competição (Tatami), uniforme do praticante de judô (judogui).
h) Histórico – nome do criador do Judô (Jigoro Kano).

III – FAIXA CINZA / AZUL – 9º KYÛ

a) Idade mínima – 06 anos.
b) Carência – mínimo de 06 meses como Faixa Cinza.
c) Demonstrar formas de pegar no judogui (Kumikata)
d) Demonstrar os três tipos de amortecimento de queda (Ukemi) em movimento.
e) Demonstrar três técnicas de projeção (Naguewaza) – integrantes do 1º Kyô.
f) Demonstrar três técnicas de imobilização (Ossaewaza).
g) Vocabulário: – parar (Mate), começar (Hajime), terminou (Soremade), não se mova (Sonomama) e atenção ou posição de sentido (Kiotsuke).
h) Histórico: – nome da primeira escola de Judô (Kodokan).

IV – FAIXA AZUL – 8º KYÛ

a) Idade mínima – 07 anos.
b) Carência – mínima de 06 meses como Faixa Cinza / Azul.
c) Demonstrar formas de desequilíbrio (Kusushi).
d) Demonstrar uma seqüências de golpes (Renrakuwaza).
e) Demonstrar quatro técnicas de projeção (Naguewaza) – integrantes do 1º Kyô.
f) Demonstrar três técnicas de imobilização (Ossaewaza).
g) Demonstrar duas viradas, quando o Uke em decúbito ventral.
h) Vocabulário: – nome do uniforme de Judô (Judogui), calça (Shitabaki), casaco (Uwagui), faixa (Obi), chinelo (Surippa),
i) Amarrar corretamente a faixa.
j) Histórico: – a data da fundação do Kodokan, – maio de 1882, – a arte que deu origem ao Judô, o Jujutsu (arte da maleabilidade espiritual).
k) Princípio do Judô – quem teme perder já está vencido.

V – FAIXA AZUL / AMARELA – 7º KYÛ

a) Idade mínima – 08 anos.
b) Carência – mínimo de 06 meses como Faixa Azul.
c) Saber a ordem das faixas no Judô:
1 – Kyûs (graus inferiores) – Básicos (Branca, Branca/Cinza, Cinza, Cinza/Azul, Azul, Azul/Amarela, Amarela, Amarela/Laranja), – Intermediários (Laranja, Verde, Roxa e Marrom).
2 – Yûdansha (Faixas Pretas do 1º ao 5º grau).
3 – Kodansha (Faixas Vermelha e Branca do 6º ao 8º graus e Faixas Vermelha do 9º ao 10º grau).
d) Demonstrar duas seqüências de golpes (Renrakuwaza).
e) Demonstrar um contra golpe (Kaeshiwaza).
f) Demonstrar cinco técnicas de projeção (Naguewaza) – integrante do 1º Kyô.
g) Demonstrar quatro técnicas de imobilização (Ossaewaza).
h) Demonstrar duas viradas, quando o Uke em decúbito ventral.
i) Vocabulário: – treinamento de entrada das técnicas (Utikomi), treino livre (Randori), competição (Shiai), academia (Dôjô) e local de competição (Shiaijô).
j) Histórico:
– Nascimento do Prof. Jigoro Kano –28 de outubro de 1860, província de Hiyogo, no Japão.
– Demonstrar os tipos de postura (Shissei):
– Postura natural (Shizen-hontai).
– Postura natural a direita (Miguishizentai).
– Postura natural a esquerda (Hidarishizentai).
– Postura defensiva (Jigohontai).
– Postura defensiva à direita (Miguijigotai).
– Postura defensiva à esquerda (Hidarijigotai).
k) Princípio do Judô: – conhecer-se e dominar-se, dominar-se é triunfar.

VI – FAIXA AMARELA – 6º KYÛ

a) Idade mínima – 09 anos.
b) Carência – mínimo de 06 meses como Faixa Azul/Amarela.
c) Demonstrar três Seqüências de golpes (Renrakuwaza).
d) Demonstrar dois contra golpes (Kaeshiwaza).
e) Demonstrar seis técnicas de projeção (Naguewaza) – integrantes do 1º Kyô.
f) Demonstrar cinco técnicas de imobilização (Ossaewaza).
g) Demonstrar três viradas, quando o uke em decúbito ventral.
h) Vocabulário: – judoista ativo (Tori), judoista passivo (Uke).
i) Histórico: – a morte do Prof. Jigoro Kano, 04 de maio de 1938, a bordo de um navio que o transportava de volta para Japão, da cidade de Cairo, Egito, onde participou da Assembléia Geral do Comitê Olímpico Internacional.
j) Demonstrar dois tipos de deslocamento (Shintai) sobre o Tatami – passadas naturais em todas as direções (Ayumiashi) e passadas sucessivas (Tsuguiashi).
k) Princípio do Judô: – O judoista não se aperfeiçoa para lutar, luta para se aperfeiçoar.
l) Executar defesa (Fussegui) com as pernas em (Katamewaza).

VII – FAIXA AMARELA/LARANJA – 5º KYÛ

a) Idade mínima – 10 anos.
b) Carência – mínimo de 01 ano como Faixa Amarela.
c) Demonstrar quatro seqüências de golpes (Renrakuwaza).
d) Demonstrar três contra golpes (Kaeshiwaza).
e) Demonstrar todas as técnicas de projeção (Naguewaza) – integrantes do 1º Kyô.
f) Demonstrar seis técnicas de imobilização (Ossaewaza).
g) Demonstrar quatro viradas, quando o Uke em decúbito ventral.
h) Vocabulário: – significado da palavra Judô – caminho da suavidade, sendo que a palavra Ju – significa suavidade, não resistência e Dô – significa meio, caminho, doutrina.
i) Histórico: – realização do 1º Campeonato Brasileiro de Judô -1954.
j) Demonstrar formas de movimentos rotatórios do corpo (esquiva) (Taissabaki).
k) Princípios que resumem o que é o Judô: – (Seiryokuzenyô), melhor uso da energia vital, (Jitakyôei), amizade e prosperidade mútua.
l) Demonstrar defesas (Fussegui) de técnicas em pé (Tatiwaza).

VIII – FAIXA LARANJA – 4º KYÛ

a) Idade mínima – 11 anos.
b) Carência – mínimo de 01 ano como Faixa Amarela/Laranja.
c) Demonstrar cinco seqüências de golpes (Renrakuwaza).
d) Demonstrar quatro contra golpes (Kaeshiwaza).
e) Demonstrar todas as técnicas de projeção (Naguewaza) – integrantes do 2º Kyô.
f) Demonstrar sete técnicas de imobilização (Ossaewaza).
g) Demonstrar cinco viradas, quando o uke em decúbito ventral.
h) Vocabulário: – para sugestão da Comissão Estadual de Graus.
i) Histórico: – inclusão do Judô nos Jogos Olímpicos-1964 nas olimpíadas de Tókio em caráter não oficial, porém nas Olimpíadas de Munique em 1972, o Judô foi incluído oficialmente nos Jogos Olímpicos.
j) Demonstrar as fases necessárias para aplicação de uma técnica – desequilíbrio (Kusushi) – oito tipos – preparação (Tsukuri) e execução (Kake).
k) Princípio do Judô – somente se aproxima da perfeição, quem a procura com constância, sabedoria e, sobretudo a humildade.
l) Demonstrar escapadas (Nogarekata) em (Katamewa).

VIII – FAIXA VERDE – 3º KYÛ

a) Idade mínima – 12 anos.
b) Carência – mínimo de 01 ano como Faixa Laranja.
c) Demonstrar seis seqüências de golpes (Renrakuwaza).
d) Demonstrar cinco contra golpes (Kaeshiwaza).
e) Demonstrar todas as técnicas de projeção (Naguewaza) integrantes do 3º Kyô.
f) Demonstrar oito técnicas de imobilização (Ossaewaza).
g) Demonstrar seis viradas (saídas) (Nogarekata), em (Katamewaza) (técnicas de domínio).
h) Demonstrar grupo de Tewaza do Nague no Kata.
i) Vocabulário – para sugestão da Comissão Estadual de Graus.

j) Histórico:
– realização do 1º Campeonato Mundial – 1956 no Japão.
– Campeonatos Mundiais realizados no Brasil – 1965 e 2007 ambos na cidade do Rio de Janeiro.
k) Formas da prática do Judô – são três formas fundamentais, Randori (treino livre), Kata (forma), Shiai (competição).
l) Princípio do Judô – A única vitória que perdura, é a que se conquista sobre a própria ignorância.
m) Demonstrar uma passagem de guarda de pernas em (Katamewaza) (técnica de domínio no solo).

IX – FAIXA ROXA – 2º KYÛ

a) Idade mínima – 13 anos.
b) Carência – mínimo de 01 ano como Faixa Verde.
c) Demonstrar sete seqüências de golpes (Renrakuwaza).
d) Demonstrar seis contra golpes (Kaeshiwaza).
e) Demonstrar todas as técnicas de projeção (Naguewaza) integrantes do 4º Kyô.
f) Demonstrar nove técnicas de imobilização (Ossaewaza)
g) Demonstrar duas técnicas de estrangulamento (Shimewaza).
h) Demonstrar duas técnicas de chave na articulação do cotovelo (Kansetsuwaza).
i) Demonstrar sete viradas, quando o Uke em decúbito ventral
j) Demonstrar os grupos de Koshiwaza do Nague no Kata.
k) Vocabulário – para sugestão da Comissão Estadual de Graus.
l) Classificação das técnicas de Judô:
1. Técnicas de projeção (Naguewaza):

 Em pé (Tatiwaza): – braço (Tewaza) – quadril (Koshiwaza) – pé ou perna (Ashiwaza).
 Mudança da posição do corpo em pé para deitado (Sutemiwaza): – projeção na linha do corpo (Massutemiwaza). – projeção lateral (Yokossutemiwaza).

2. Técnica de controle e domínio no solo (Katamewaza),

 Técnica de imobilização (Ossaewaza)
 Técnica de estrangulamento (Shimewaza)
 Técnica de chave de braço (Kansetsuwaza).
 Ataque nos pontos vitais (Atemiwaza).

m) Princípio do Judô – Nunca te orgulhes de haver vencido um adversário, ao que venceste hoje, poderá vencer-te amanhã.
n) Demonstrar duas passagens de guarda de pernas com finalização (Katamewaza).

X – FAIXA MARROM – 1º KYÛ

a) Idade mínima – 14 anos.
b) Carência – mínimo de 01 ano como Faixa Roxa.
c) Demonstrar oito seqüências de golpes (Renrakuwaza).
d) Demonstrar sete contra golpes (Kaeshiwaza).
e) Demonstrar todas as técnicas de projeção (Naguewaza) integrantes do 5º Kyô.
f) Demonstrar quatro técnicas de estrangulamento (Shimewaza).
g) Demonstrar quatro técnicas de chave na articulação do cotovelo (Kansetsuwaza).
h) Demonstrar oito viradas, quando o uke em decúbito ventral.
i) Demonstrar o grupo de Ashiwaza do Nague no Kata.
j) Vocabulário – para sugestão da Comissão Estadual de Graus.
k) Histórico – para sugestão da Comissão Estadual de Graus.
l) Demonstrar noções básicas de arbitragem (voz de comando, gestos e avaliação).
m) Atuação como oficiais de mesa em competições.
n) Princípio do Judô – para sugestão da Comissão Estadual de Graus.
o) Defesa em guarda de pernas em (Katamewaza) com finalizações.
p) Conhecer o conceito da palavra KODANSHA – Kodansha é um título de alta graduação, específico do Judô criado pelo Instituto Kodokan, e que deve ser outorgado a aqueles que se empenharam no aprendizado, na pratica contínua, na demonstração da sua eficiência técnica em competição, e a devida dedicação no ensino, no estudo e na pesquisa. Portanto, é depositário e responsável pela difusão dos princípios filosóficos e educacionais do Judô, preconizados pelo Prof. Jigoro Kano.

FAIXA PRETA 1º GRAU (SHODAN)

SOBRE GRADUAÇÕES PRA SHODAN, NIDAN, ETC… SERÁ REPASSADO OPORTUNAMENTE, PELA CBJ.

CESAR PASCHOAL
PRESIDENTE DA FJMS

Compartilhe essa Notícia:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *